011.03 – O INFERNO E O PARAÍSO

011.03 – O INFERNO E O PARAISO

Anas Bin Malik (Radiyalahu an-hu) referiu que o Profeta (Salalahu Aleihi Wassalam) disse: “O Paraíso está rodeado de dificuldades (trabalho, privações) e o inferno está rodeado de tentações”. Muslim 40:6778 e Bukhari 76:494

Abu Huraira (Radiyalahu an-hu) referiu que Muhammad (Salalahu Aleihi Wassalam) disse: Quando Allah, o Altíssimo criou o Paraíso, disse ao Anjo Jibrail (Aleihi Salam) para ir ver. Ele foi ver e quando regressou disse: “Ó meu Senhor! Pela Tua Grandeza, Todos os que ouvirem falar dele, entrarão nele. Então Deus cercou o Paraíso com coisas desagradáveis (que requerem muitas acções) e disse: “Vá ver novamente”. Jibrail depois de ver o Paraíso (cercado por tarefas pré-definidas por Deus) disse: “Meu Senhor, pela Tua Grandeza, estou com receio de que ninguém vai entrar nele. Quando Deus criou o Inferno, disse para ele ir ver. Jibrail depois de cumprir com a ordem, exclamou: “Ó meu Senhor, pela Tua Grandeza, quem ouvir falar dele, não vai entrar nele”. Então Deus rodeou o Inferno de coisas desejáveis e disse: “Vai agora ver”. Jibrail foi ver e quando regressou disse: “Ó meu Senhor! Pela Tua Grandeza, e Poder, estou com receio de que não restará ninguém que não queira entrar nele”.  Sunan Abudawud 40:4726.

Outra passagem refere que o Anjo Jibrail (Aleihi Salam), Gabriel – que a Paz de Allah esteja com ele -, informou ao Profeta (Salalahu Aleihi Wassalam) de que  Allah, Todo o Poderoso, mandou atear fogo no inferno e manteve-o aceso durante mil anos, acabando por ficar de cor branca. Depois Allah mandou outra vez atear fogo durante outros mil anos. As chamas tornaram-se vermelhas. Mais uma vez, mandou atear fogo por outro período equivalente e as chamas tornaram-se tão pretas que não se conseguia distinguir nada. Disse ainda que se Allah mandasse abrir o inferno na dimensão de um furo de uma agulha, o mundo ficaria destruído.

O Caminho para o Paraíso não é uma recta que se possa percorrer sem incidentes. O crente irá encontrar uma série de obstáculos. Curvas e contra curvas, recuos e avanços. Os prazeres da vida serão uma constante da sua existência. Se não se controlar e os utilizar sem ponderação, desviar-se-á do caminho e cairá no abismo das tentações que o levarão à penumbra, à perdição, ao Inferno. Para este trajecto da vida, o inteligente é aquele que obedece a Deus e o seu Mensageiro e procura a companhia dos que praticam boas acções e que recomendam o bem.”… Porém se obedeceres a Deus e ao Seu Mensageiro, em nada serão diminuídas as vossas obras, porque Deus é Indulgente, Misericordiosíssimo”. Cur’ane 49:14.

Num Hadice transmitido por Abdullah Ibn Massude (Radiyalahu an-hu), o Profeta (Salalahu Aleihi Wassalamo, depois de mencionar os diversos estágios da formação do ser humano dentro da barriga da mãe, referiu o tipo de acções que serão praticadas por cada um de nós, durante as nossas vidas: “Acontece um de vós praticar acções próprias da gente do Paraíso até não faltar senão um palmo para chegar a este (Paraíso) e aí ele ser antecipado pelo Livro e começar a praticar acções da gente do Inferno e assim entrar no inferno. E acontece um de vós praticar acções de gente do Inferno até não faltar senão um palmo para chegar ao Inferno e começar a praticar acções de gente do Paraíso e assim ele entrar no Paraíso”. Bukhari e Musslim. Mesmos os mais piedosos estão sempre com receio de perder a fé nos últimos momentos da vida, porque essa situação será determinante no destino de cada um no Akhirat.  Há pessoas que passam a vida a praticar boas acções, mas que no final das suas vidas morrem descrentes. É um exemplo daqueles que são cometidos por doenças graves e que se revoltam contra o Criador, ao ponto de pronunciarem blasfémias. No entanto, o crente deve viver com temor a Allah, o Protector e Perdoador, de modo a precaver-se de algum deslize na sua conduta. Ao mesmo tempo, deve também viver com a esperança de que Allah ouvirá as suas preces, para que morra como muçulmano (submisso a Deus).

As condições de vida, evoluíram muito nos últimos séculos, em especial nos últimos 50 anos. O conhecimento é uma constante dos nossos dias. As pessoas passaram a ter uma palavra na constituição das leis, algumas das quais contrárias às orientações divinas. A maioria eleita, comanda os destinos dos respectivos países. O temor a Deus está a desaparecer, o que contribui para o fomento de actos imorais. Outros que tiveram uma formação religiosa, seguem as novas tendências, acabando por perder por completo, a percepção da existência de um “Polícia” que está em todo lado, ouve e vê tudo, porque é Omnipresente. Cada vez mais o homem satisfaz os seus caprichos, pisando e ultrapassando os direitos dos mais fracos. 

Imaginem uma localidade, onde a paisagem é toda verde, com riachos de água límpida, onde se ouve o chilrar  das aves. Com árvores de fruto e alimentos de todas as espécies, onde todos vivem em paz e em harmonia. Este poderá ser o mais baixo dos Paraísos. Agora imaginem uma localidade, sem qualquer vegetação, desoladora, constituída por pedras, com temperaturas  insuportáveis e com riachos de água fervendo. Este poderá ser considerado o mais baixo dos Infernos (imaginem os graus que estão acima!).

Saibamos hoje apetrechar a residência que amanhã vamos habitar.

Abdul Rehman Mangá

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s